Ilha do Mel já tem um nome bem convidativo né? Agora, imagine você chegando com sua família numa verdadeira ilha... Quando falo isso, me refiro a um lugar onde não transitam carros e onde não há ruas ou estradas, só trilhas. Uma área de 2.700 metros, dos quais "apenas" 200 têm permissão de uso - o restante é reserva ecológica (tombada pelo Patrimônio Histórico em 1975). O turista dispõe de pousadas e restaurantes, claro. E atrativos como o Farol das Conchas, a Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres e a Gruta das Encantadas. Nós amamos!

Fomos para lá saindo de Curitiba. E explico porquê. Meu marido foi convidado para tatuar em um estúdio na capital do Paraná, e nós aproveitamos para "turistar" por lá primeiro. Iríamos pegar o trem de luxo (um passeio de 3 horas, veja aqui!), mas nossa caçula ficou doente, e resolvemos ficar um dia a mais em Curitiba (no total foram 2), e ir de ônibus para Paranaguá (de onde sai o barco para a ilha). A parte do ônibus foi super tranquila viu? E a travessia para a ilha também! Aliás, ela é feita de barco ou lanchinhas. Um tem horário fixo, o outro não - e ficamos com a segunda opção para chegar antes, pois nosso tempo era curto.


O trajeto dura 30 minutos. Chegando na Ilha do Mel, tem uns rapazes que se dispõem a levar sua bagagem para as pousadas de carriola, mas não quisemos pagar e fomos no "lombo" mesmo. Crianças e malas...rs. Vale dizer aqui que a areia é fofa, mas que se sua família é ativa, não é nenhum bicho de sete cabeças.


Nos hospedamos na pousada Bee House, que fica na Praia do Farol. Lá é um pouco mais reservado, a parte mais nobre da ilha, que não tem muito movimento e é ideal para famílias. Já me hospedei do outro lado (na Praia das Encantadas), e posso dizer que lá tem mais badalação (se é que posso chamar assim), e é mais para solteiros ou casais sem filhos.


A pousada que escolhemos é totalmente kids friendly, ou seja, muito amiga das crianças! E tem apenas 4 quartos, cada um com um tema: água, fogo, terra e ar. É muito linda, aconchegante, totalmente pousada de charme (leia aqui o que é isso), com um restaurante ótimo onde você pode fazer todas as refeições, espaço para praticar Ioga, deixar as crianças tranquilas…


Nós alugamos bicicletas para fazer os passeios. Fomos até o Farol, onde você sobe com as crianças no colo. Fomos também até o Forte, do outro lado, o que nos permitiu um passeio de bicicleta bem bacana! O Caetano ficou encantado com os canhões e o guia turístico explicou tudo pra gente! Recomendo muito o passeio, especialmente de bike =)


Ficamos apenas dois dias e meio lá, mas valeu muito a pena! A Ilha do Mel não tem o mar verde esmeralda (daquele tom de foto de rede social sabe?), mas é a cor "mel" da água uma das possíveis razões do seu nome! É diferente, e a ilha é muito linda: traz uma sensação de imersão na natureza incrível! Você ser rodeada pelo Farol é mágico, porque ele está sempre visível esteja você onde estiver… As crianças ficam o tempo todo com o pé na areia, e estar numa verdadeira ilha, sem carros, é revigorante. E a preservação da ilha mantém quase intacta a sua principal atração: a natureza.


É um destino adequado para crianças! A única coisa que recomendo é levá-las a partir de 3 anos, pois é preciso que andem "bem" - já que o meio de locomoção por lá é "a pé", ou - no máximo - em bicicletas. Se sua família for mais ativa, é uma boa opção levar sling ou carregador ergonômico para trajetos mais cansativos para os pequenos. Quanto às atividades, além de caminhadas e bike, é possível surfar (quando há ondas).


Quer fazer essa? Fale comigo =) A gente adequa tudo conforme a sua vontade. Com Curitiba ou sem. Com aéreo, ônibus, trem, ou tudo de carro! Por quantos dias você puder, e de acordo com o que quiser fazer com a sua família!



Mais sobre a ilha?


A ilha tem cinco vilarejos: Fortaleza, Nova Brasília ou Brasília, Farol, Praia Grande e Encantadas. Ela tem aproximadamente 95% de sua área composta por ecossistemas de restinga e Floresta Atlântica, o que a elevou à categoria de Estação Ecológica em 1982. Em março de 2002 foi criado o Parque Estadual da Ilha do Mel. Há várias versões sobre a origem do nome. A água doce existente na ilha contém mercúrio e, em contato com a água salgada causa uma coloração amarela, semelhante à cor de favos de mel. Antes da Segunda Guerra Mundial, a ilha era conhecida como a ilha do Almirante Mehl que se dedicou à apicultura. Marinheiros aposentados viviam na Ilha e dedicaram-se à apicultura, produzindo uma quantidade tamanha que chegaram a exportar o produto até os anos 60. Os índios Carijós que viviam na região apreciavam muito o mel, então a exploração apícola é antiga. E a ilha seria entreposto para navios comprarem mantimentos, entre eles farinha (mehl em alemão).